Innovatrix

Edson foi um Steve Jobs? Contando a história direito (II)

jobs

Em 1802, setenta anos antes de Edson, o químico britânico Humphry Davy já tinha ligado um filamento de platina a uma bateria eléctrica tornando-o incandescente e emitindo um clarão brilhante durante alguns minutos. Na década de 1840, dezenas de inventores independentes estavam trabalhando em variações da lâmpada elétrica. A primeira patente foi emitida em 1841 para um inglês chamado Frederick de Moleyns. Um historiador compilou uma lista de inventores parciais de lâmpadas, chegando até o triunfo de Edison no final dos anos 1870. Pelo menos metade deles tinha chegado exatamente à fórmula básica a que Edison chegou: um filamento de carbono, suspenso em um vácuo para evitar a oxidação, impedindo que o filamento queimasse muito rapidamente.
Na verdade, quando Edison finalmente começou a mexer com luz elétrica, ele passou meses tentando bolar um sistema para regular o fluxo de eletricidade no filamento e evitar o derretimento, até que abandonou essa abordagem em favor do vácuo. Isso depois de quase metade de seus antecessores já terem escolhido o vácuo como a melhor solução para um brilho sustentado.
A lâmpada foi o tipo de inovação que veio tomando forma ao longo de décadas, pedaço-a-pedaço. Não houve um “momento luminoso” na história da lâmpada. Quando Edison apertou o botão na estação de Pearl Street, iluminado tudo, um punhado de outras empresas já estavam vendendo seus próprios modelos de lâmpadas elétricas. O inventor britânico Joseph Swan tinha começado iluminando casas e teatros no ano anterior.
Edison inventou a lâmpada da mesma maneira que Steve Jobs inventou o MP3 player: não foi o primeiro, foi apenas o primeiro a fazer algo que decolou no mercado.

Adaptado livremente do livro “How we Got to Now” de Steven Johnson

A grande pergunta é: por que Edson ficou com toda a fama?
Ele, como Jobs, era um tremendo marqueteiro (como vou contar a seguir), mas seria injusto e incorreto atribuir seu sucesso (só) a isso. O cara tinha uma visão diferente mesmo. Muito diferente.
Veja próximo post.

Leia também